Minha experiência com Low Poo – Shampoos Testados

Na semana passada, coloquei aqui um post falando sobre low poo no poo. São rotinas de cuidados capilares que se propõem a limpar o cabelo sem agredir, resolvendo assim vários probleminhas como ressecamento frizz. Cabelos cacheados e descoloridos se beneficiam muitíssimo dessas técnicas, mas não são os únicos.

Falei muito (muito), mas nada sobre minha própria experiência e resultados. Bom, agora é a hora de compartilhar. Nesse post, falarei o que mudou para mim ao começar o low poo, quais produtos já usei e minha opinião sobre eles, começando pelos shampoos.

Situação Inicial

O que mais me motivou a começar o low poo foi ver as fotos que o povo postavam nos grupos do facebook. São tantas fotos maravilhosas, com resultados incríveis, que você logo fica louco para testar! Se quiser entrar, procure por Rotina ou Cabelo Saudável.

Na época que comecei, meados de março de 2016, o estado do meu cabelo era: longosem descoloraçãoalisado da raiz até mais ou menos a metade do comprimento. Meus cuidados com ele se resumiam à hidratações semanais e de vez em nunca, umectação com óleo de coco.

Meu cabelo não estava feio, mas sentia falta de um “up”. Além disso, minha franja sempre foi a parte mais cacheada do meu cabelo e quando o efeito do alisamento saía, eu ficava escrava da chapinha e secador. Com isso, essa parte ficava mais judiada.

cabelo antes low poo

Primeiras Impressões

Falarei o que achei de cada produto que testei, mas posso adiantar que logo que desde a primeira lavagem uma melhora foi bem evidente: a bendita franja.

Como eu já disse, eu usava bastante secador e chapinha nela. Apesar de ficar ok na hora, qualquer suadinha – o que não é difícil nesse sol da moléstia de Fortaleza -, e PUF! Minha franja não só perdia o efeito alisado como se enrolava de um jeito muito doido. Infelizmente (ou felizmente), não tenho fotos desse belo momento para mostrar, mas acreditem, era horrível.

Com o low poo, minha franja não ficou mais lisa, claro. Porém, ficou muito mais comportada. Ao perder o efeito, ficava de uma forma bem mais aceitável do que antes. Embora não fosse exatamente a solução dos meus problemas, ajudou bastante.

Shampoos Liberados Low Poo: Testados

Yamasterol Less Poo

yamasterol shampoo less poo
Primeiro shampoo que testei. Você encontra facilmente em lojas de cosméticos e o preço é ótimo. Possui vários tamanhos de embalagem, desde das menores para quem tá desconfiado, até as maiores, se você já ama.

É um bom shampoo, mas confesso que não gostei muito. Apesar da consistência bem líquida e transparente, achei muito difícil de espalhar. Ele também faz pouquíssima espuma, o que é normal para shampoos de low poo. Porém, pode causar estranhamento para quem ainda está se adaptando.

A melhor forma de passá-lo e encharcar a cabeça com bastante água e passar pequenas partes por áreas do couro cabeludo. Você realmente sente o cabelo bem limpo e não ficou ressecado, mas também não é um shampoo hidratante.

 

Phytoervas Coco e Algodão

Quis experimentar essa linha da Phytoervas por ser uma marca facilmente encontrada nos supermercados. Todos da tampinha verde são liberados, mas o mais elogiado era esse de coco, portanto resolvi começar por ele.

Diferente do Yamasterol Less Poo, esse shampoo tem a consistência bem cremosa e faz bastante espuma. Acredito que isso se deva ao “lasa” contido na composição. Fácil de espalhar e com um cheirinho agradável, não foi difícil gostar dele.

Senti que o cabelo ficou bem limpo, com mais suavidade. O cabelo quase não fica embaraçado enquanto passa o shampoo, então mesmo antes de usar o condicionador já dá pra sentir uma certa hidratação. Nessa época, eu já tinha começado o cronograma capilar e descolorido o cabelo.


Phytoervas Cor Resistente/Anti-queda/Revitalização e Brilho

shampoo phytoervas low poo

Apesar de os produtos da Phytoervas serem comuns nos supermercados, o de Coco e Algodão muitas vezes estava em falta. Assim, resolvi experimentar outros da linha, já que gostei do anterior.

Esses shampoos foram uma decepção. Não possuem a consistência cremosa como o de Coco e certamente, não parecia ser hidratantes ou sequer suaves. Inclusive, o de proteção de cor desbota e muito. Meu cabelo começou a ficar ressecado e eu não sabia o motivo disso: poderia ser por ter descolorido o cabelo, algum produto do cronograma ou até uma consequência tardia de estar vendo meu cabelo “sem maquiagem”.

Porém, eu não tinha esse problema antes e o único produto que troquei foi o shampoo. Depois, encontrei no blog da Chibi uma análise dos shampoos da Phytoervas. Ela testou o pH e constatou que é um nível bem alto. Para quem não sabe, produtos com pH alto abrem muito as cutículas do cabelo. Geralmente o shampoo tem um pH mais alto para limpar, mas fica na faixa de 5. Esses tinham 7, sendo o de Coco um pouco mais baixo, 6. Ainda assim, é um pH alto para shampoos que se propõem a uma limpeza suave.

Depois disso não quis mais saber de Phytoervas e fui em busca de outro shampoo. Vou ressaltar que gostei muito do próximo e meu cabelo tava maravilhoso, até que um dia tava na casa do meu namorado e lavei o cabelo com o Revitalização e Brilho que ainda estava lá. Meu cabelo ficou bem ressacadinho e estranho, e olha que eu ainda fiz uma hidratação no dia. Outra observação: diferente dos de coco, esses têm um cheiro esquisitinho. 

Bioderm Oro Argan

shampoo hidratante bioderm oro argan

Sempre vi o pessoal falando maravilhas desse produto nos grupos do facebook, mas nunca tinha achado por aqui. Um belo dia, entrei numa loja procurando por outra coisa e lá estava ele! Não pude perder essa oportunidade, até porque não aguentava mais os meus shampoos da Phytoervas.

Ele tem a consistência bem cremosinha, parece um condicionador. Faz bastante espuma e é bem fácil de espalhar, precisa de pouco produto para lavar bem o couro cabeludo completo. É tão suave que parece até que você está lavando o cabelo com um condicionador, mas sem deixar de dar aquela sensação de limpeza. Meu cabelo fica completamente desembaraçado com ele, dá pra pentear só com os dedos.

Com certeza foi o meu melhor custo-benefício. Paguei R$ 20,00 e passei mais de dois meses usando. Meu único porém é que ele é bem difícil de achar, pelo menos na minha cidade. Até hoje, a única loja que o encontrei foi a mesma da primeira vez.

Depois que passei a usá-lo, meu cabelo melhorou muito e passou a responder melhor aos tratamentos também.

Lola Curly Wuly

shampoo lola curly wurly low poo

Eu estava muito feliz e satisfeito com meu amado Oro Argan, mas a inacessibilidade estava me dando nos nervos. Afinal, muito desgastante ter que pegar ônibus e andar pacas nesse sol escaldante por um shampoo. Então, depois de alguns frascos terminados, decidi que era hora de procurar um novo amor.

Estava de olho nos produtos da Lola. Apesar de achar o preço um tanto salgado para um produto de uso quase diário, é uma marca muito elogiada e qualquer loja de cosméticos tem no estoque. Acabei levando o Curly Wuly, um shampoo voltado para cabelos cacheados. Como eu tinha passado recentemente pela transição capilar, achei bem apropriado.

Adquiri esse produto recentemente, por isso usei poucas vezes desde então. O que posso dizer por enquanto é que não sei se foi uma boa aquisição. Sua consistência é líquida e pouco hidratante, me lembrando o Yamasterol Less Poo. Assim como ele, é bem difícil de espalhar. Apesar de prometer cabelos limpos e hidratados, sinto meu cabelo meio ressecado depois de usá-lo, mas ainda preciso fazer mais alguns testes antes de dar o veredicto.

* Edit: agora que passei mais tempo usando, farei algumas ressalvas. Mantenho a opinião de que ele é difícil de passar, mas não já não acho que deixe tão ressecado assim. Ele limpa bastante, até por se tratar de um shampoo transparente, mas deixa os cabelos desembaraçados mesmo antes de usar o condicionador. Talvez antes eu tenha sentido que ressecou pelo fato do meu cabelo estar mais frágil.

* Edit²: Levei esse shampoo quando viajei para Brasília. Tomei um susto quando fui usar e vi que do nada o shampoo estava cremoso/perolado!  Não sei o que aconteceu, se foi o clima frio ou o quê, mas fica a observação.

Lola Meu Cacho, Minha Vida

“Ai meu Deus, Lola de novo??” Calma gente, esse aqui faz parte da linha econômica! São 500 mL na faixa de R$ 20,00. Como a Lola não trabalha com preço tabelado, pode ser que você encontre bem acima desse preço. Nesse caso, continue procurando que acha mais barato sim. Além do shampoo, essa linha também tem condicionador, creme de pentear, jelly gel (para definir os cachos) e máscara de hidratação. Agora que já fiz o merchan (não, não estou sendo paga), vamos dizer o que achei do produto.

A consistência dele é bem diferente do que já vi por aí. Uma coisa meio creme, meio água meio shampoo (?). Cheguei até a pensar que o meu tinha vindo errado ou que esse negócio não fosse prestar, mas funciona muito bem sim! É bem mais fácil de espalhar que o Curly Wurly, embora também praticamente não faça espuma. Realmente notei a suavidade do shampoo e talvez pela consistência meio creme, você sente que tá quase fazendo noo poo. Achei ele ainda mais suave que o Oro Argan, mas talvez quem curta uma sensação de limpeza maior prefira a Bioderm mesmo (que também faz espuma). Para mim, achei a limpeza na medida certa, deixando o cabelo macio e hidratado.

Gostei demais desse produto, empatou com o Oro Argan, o meu favorito até então. A vantagem desse é que é bem mais fácil de achar que o da Bioderm e pelo mesmo preço, vem o dobro. Ainda não testei o restante da linha, mas depois dessa experiência positiva, já quero.

Considerações Finais

Esses foram os shampoos de low poo que testei em 2016 e no começo desse ano. Sempre achei shampoo um item muito basic, que é meio que tudo a mesma coisa. Percebi com essas experiências que ele precisa ser escolhido com muito cuidado, pois faz diferença sim nos resultados no seu cabelo. O que não quer dizer que você precisa comprar um shampoo super caro, basta dar uma pesquisada e o mais importante, observar como reage em você.

Eu sempre esperava o shampoo acabar pelo menos um frasco para começar a testar outro, então pude ver bem os resultados de cada um no meu cabelo. Mas lembrando, todo cabelo reage de uma forma e o que aconteceu comigo, pode não acontecer com você. Infelizmente, a gente só sabe de fato dando a cara a tapa. Na próxima semana, outro post de produtos testados, dessa vez com condicionadores.

Relacionados

3 Comentários

  1. Me identifiquei com o mesmo problema que você teve com o Phytoervas, usei a uns anos atrás (acho que sequer tinha shampoos próprios para o tratamento low poo, não sei dizer com precisão) e testei a linha porque tinha os fios MUITO oleosos. Comecei a usar e passei de um extremo para o outro, mega ressecou meu cabelo. Desisti assim que o primeiro frasco acabou.
    Estou com muita vontade de testar o Yamasterol, mas aquele mais tradicional, amarelinho. Vejo resenhas falando maravilhas dele e o preço me parece bem acessível. Sabe dizer se essa versão tradicional é indicada para começar o low poo? Ou só essa versão que você mostrou aqui?

    Adorando cada vez mais o blog, fico até com saudades das postagens quando elas se distanciam muito uma da outra (mas vida corrida, quem não tem?). Parabéns pelo ótimo conteúdo!

    1. Oi amore!
      Pois é né, peguei trauma total da Phytoervas, até do de coco que eu tinha gostado. E pior que eu sempre queria trocar, mas quando via minha mãe já tinha comprado 53 frascos, então acabei passando vários meses pra sair dessa (não vamo desperdiçar $$ né)
      O Yamasterol amarelinho você pode usar sim, só que esse é um condicionador. Ou seja, se for usar como shampoo, só se for co-wash, técnica do no poo. Pessoas que fazem low poo também podem fazer co-wash, claro, mas aí tem que ficar atenta àquelas questões dos silicones e tudo mais.

Responder